IGB - Igreja Gnóstica do Brasil

Samael Fala ao Brasil

Distintos irmãos do Movimento Gnóstico da República do Brasil, a vocês me dirijo. 


Chegou a hora de trabalhar de forma intensiva com a Grande Obra do Pai. Recordemos, meus estimados irmãos, que os tempos do fim já chegaram. Estive investigando no Mundo Causal o futuro que aguarda nosso planeta Terra. Inquestionavelmente, o panorama se apresenta sombrio. Quero lhes dizer de forma clara que toda a humanidade terá que passar por um grande cataclismo. Quando observava no Mundo das Causas Naturais, pude ver o nosso planeta rodeado por doze tremendos gigantes. Indubitavelmente, estes últimos em si mesmos representavam às doze constelações do Zodíaco. Pareciam doze titãs de cor negra, viva fisionomia do ódio que atualmente reina sobre a face do nosso afligido mundo.

Obviamente, o Karma Zodiacal que temos é pavoroso. E conforme examinava o Akasha puro, pude compreender também que haverá um acontecimento extraordinário, um evento horripilante, uma catástrofe cósmica. Gente de outros mundos virá com suas naves para fotografar a grande tragédia. Eles irão conservar em seus museus, em suas bibliotecas, as vivas recordações de uma humanidade perversa que foi castigada.

Enquanto observava no espaço, uma música deliciosa, uma sinfonia trágica, me comunicava em detalhes tudo o que há de sobrevir antes do cataclismo final. Aquela música, aquela sinfonia, ainda que maravilhosa, continha em si mesma um conteúdo trágico. Me dizia que antes do cataclismo, e por todos estes tempos, haverá guerras e rumores de guerras. Doenças desconhecidas, nunca antes vistas. Revoluções de sangue e aguardente. Os seres humanos se levantarão uns contra os outros e todos contra todos. Se multiplicará a barbárie por toda parte. Haverá crimes inenarráveis e o mal, desde estes mesmos momentos em que estamos falando, irá de pior a pior. No dia da grande catástrofe, meus caros irmãos, tudo realmente estará arrasado.

Ocorre que um mundo gigantesco vem navegando através do espaço infinito. Um mundo louco, deslocado de outro sistema planetário. Os cientistas supõem que tal planeta colidirá [magneticamente] com o nosso lá pelo ano de 2430 [poderia ser 2034]. A Venerável Grande Loja Branca me disse que a colisão será exatamente no ano 2500 [uma cifra kabalística que significa “quando o sétimo selo for aberto”, e para isso existem três possibilidades: 2500, 2050 e 2005. Nós, da Igreja Gnóstica do Brasil, cremos que o Sétimo Selo foi aberto com a morte do papa João Paulo II]. Mas, antes de tal data, será somente dor e amargura.

Nada de bom podemos esperar por esses tempos futuros. Quando aquele planeta for se aproximando mais e mais, ondas embravecidas, nunca antes vistas, atingirão as praias. Radiações queimarão tudo o que tenha vida. Haverá um instante – isto o sabem todos os melhores profetas – em que aquele planeta se colocará entre o Sol e a Terra. Então, haverá uma noite produzida por um eclipse que durará vários dias. Noite de espanto e de horror como jamais ninguém viu antes.

Ao se aproximar cada vez mais, aquela massa gigantesca atrairá o fogo líquido do interior da Terra para a superfície e nascerão vulcões por toda parte. Isso será acompanhado de terríveis terremotos e grandes maremotos. As cidades mais poderosas cairão em ruínas como um castelo de cartas e não haverá remédio. A radiação atômica infectará todo o planeta Terra. Por último, ao se aproximar ainda mais, essa massa fará o depósito de hidrogênio planetário explodir e, como em um grande holocausto ígneo, arderá nosso mundo e a Terra, suas obras e todos os que nela existem serão queimados e os elementos ardendo serão desfeitos. Quando finalmente as duas massas planetárias se chocarem, não haverá ninguém vivo [bem, isso, literalmente, deve ocorrer noutras dimensões].

Estamos, pois, meus caros irmãos brasileiros, no princípio do fim. Tudo o que se escreveu no Apocalipse de São João é para estes tempos, não se esqueçam. Em certa ocasião, minha Divina Mãe Kundalini, tomando a palavra, me disse: “Já tudo está perdido. O mal do mundo é tão grande que já chegou ao céu. Babilônia, a Grande, a mãe de todas as fornicações e abominações da Terra será destruída e de toda esta perversa civilização de víboras não ficará pedra sobre pedra”. Assombrado, me dirigi a Ela dizendo: “Estamos então em uma rua sem saída, minha Mãe?” Ela me respondeu: “Vamos fazer um pacto? – “Sim”, respondi. Então, Ela me disse: “Você abre o beco e eu os mato”.

Reflitam nisso que estou dizendo, meus caros irmãos brasileiros. Para que a Divina Mãe Kundalini, em seu Terceiro Aspecto, como Terror de Amor e Lei, fale dessa forma, é porque tem que haver algo terrível, algo pavoroso; tem que haver chegado o mal até o limite dos limites.

Recordo que, depois de haver conversado com a Adorável desta forma, passaram perto de nós umas damas Iniciadas, que haviam chegado ao segundo nascimento. Claro que haviam fabricado os Corpos Existenciais Superiores do Ser e irradiavam luz. Mas nem sequer se inclinaram diante da Divina Mãe e muito menos cumprimentaram a mim, que não valho nada. A Mãe disse: “Estes duas vezes nascidos que existem agora, terei que examiná-los minuciosamente”. Me disse também que estas damas ainda conservavam dentro de si restos da grande rameira, cujo numero é 666. Não haviam dissolvido completamente o Ego. Depois, alguns Mestres se aproximaram e se inclinaram reverentes. Logo que continuaram seu caminho, minha Mãe me disse: “Estes são filhos do Sol”. “Assim é”, respondi.

Passados alguns dias, meus caros irmãos, vi confirmadas as palavras de Devi Kundalini Shakti. No Paquistão, houve naquela época um milhão de mortos. Terríveis ciclones e terremotos produziram uma catástrofe imensa. No Peru, naqueles dias, houve 70 mil mortos com os terremotos que vieram. Uma água negra e pestilenta surgia do interior da terra. Conforme o tempo ia passando, eu ia também comprovando as palavras de Devi Kundalini Shakti. Os terremotos se multiplicam; nestes instantes, Manágua, a capital da Nicarágua, foi destruída. É impossível saber a quantidade de mortos. A imprensa fala em 5.000 e outras vezes em 20.000. Os cadáveres estão debaixo das ruínas e cheiram mal; resolveu-se queimar os cadáveres. O governo deu ordens para todos os habitantes abandonarem a cidade. Assim estão as coisas, meus caros irmãos.

A guerra no Vietnã se intensifica. Os Estados Unidos arrasaram com povoados inteiros no Vietnã. O Oriente Médio arde; não foi possível nenhum acordo entre judeus e árabes. Por toda parte aumentam as dificuldades e os ódios se multiplicam incessantemente.

Vão passando os tempos e vamos confirmando também, uma a uma, todas as profecias, as que se fizeram em tempos antigos e as que me foram feitas no presente. Vistas todas estas coisas, meus queridos irmãos brasileiros, nos lançamos a formar o Exército de Salvação Mundial, com o propósito de abrir o beco.

Vocês querem aproveitar a oportunidade? Vocês querem fazer parte desse exército? Estão dispostos a aproveitar a passagem que vamos abrir neste beco? Não há mais remédio. Ou aproveitam ou não aproveitam. Se aproveitam, melhor para vocês. Se não aproveitam, terão que passar pela grande calamidade. Vocês deverão resolver, meus caros irmãos. Muitos de vocês enganam-se a si mesmos. “Se este acontecimento será no ano de 2.500 que nos importa isso agora? Que importa isso à ciência?

Assim pensam os que têm a consciência adormecida. Despertai, por favor. Despertai!

Os corpos que têm atualmente, perecerão. Mas no ano da tragédia terão novos corpos. E serão testemunhas da grande catástrofe e perecerão nela.

Poderiam também objetar que: “De qualquer maneira vamos morrer”. Porém, não se trata somente da morte física, meus caros irmãos. É óbvio que aqueles que perecerem na grande calamidade que se aproxima, na colisão de mundos que virá, entrarão na involução, dentro das infradimensões da natureza e do cosmo.

Quero que saibam que os mundos infernos existem debaixo da epiderme terrestre e ali existem também processos involutivos descendentes terríveis. Aqueles que ingressam nos mundos infernos, têm que involuir no tempo, passando por estados animalóides, vegetalóides e por último mineralóides. Não é nada agradável viver nestas regiões infernais. Normalmente, os humanóides moram ali ou vivem ali pelo tempo de 8.000 a 10.000 anos. Somente os perversos, demasiadamente perversos, os Hitler, os Musolinni, os tântricos negros, os magos da mão esquerda, etc., etc., podem viver Mahavantaras inteiros nos mundos infernos antes de sua desintegração final. O tempo ali é terrivelmente doloroso e sumamente longo. Naquelas regiões as leis se multiplicam e a vida se faz espantosamente complicada e amarga. Ali reina o tédio, a dor, a materialidade mais grosseira, o sofrimento mais espantoso.

Reflitam, irmãos. É certo que os que ali moram, ao fim, chegam à segunda morte. Sim, não o ignoramos. Também é certo que dali se escapam com a segunda morte, porque então se desintegra o Ego e a Essência, ou seja, a Alma, o melhor, o mais digno, o mais decente que temos dentro de nós, aflora, sai à superfície, à luz do Sol, para recomeçar a jornada, para voltar a uma nova evolução, para iniciar uma nova caminhada que haverá de começar pelo reino mineral, continuar pelo vegetal, seguir pelo animal e logo, por último, reconquistar o estado humano outrora perdido.

Mas lhes digo, irmãos, não é nada agradável viver 8.000 ou 10.000 anos involuindo nas trevas exteriores, onde só se ouve o choro e o ranger de dentes. Pensem nisto, meus caros irmãos. É melhor que formemos o Exército de Salvação Mundial, que cooperemos para o bem comum. Me parece que todos unidos podemos trabalhar na Grande Obra do Pai. Me parece que todos unidos podemos aproveitar este caminho que nestes momentos estou abrindo.

Aqueles que não morrerem na grande tragédia, na grande catástrofe, serão salvos. Não me refiro à salvação meramente física, mas também à espiritual. Evitarão entrar em semelhantes regiões tenebrosas depois da morte. Aqueles que não morrerem, aqueles que souberem aproveitar o caminho que agora estamos abrindo, serão levados a outro mundo, a outro planeta do espaço, antes da catástrofe final.

O que estou lhes dizendo, meus caros irmãos, o sei por informação direta da Venerável Loja Branca. Felizes os que souberem aproveitar a oportunidade que se lhes oferece. Estes, depois de algum tempo, depois que se passe um período de tempo mais ou menos longo, que pode chegar a alguns milhares de anos, serão trazidos de volta a este mundo. Mas a um mundo já transformado, um mundo onde somente existirá o amor e a sabedoria. Um mundo totalmente mudado, com uma fisionomia nova, mares novos, montanhas novas; ou seja, serão trazidos à futura Jerusalém da qual nos fala o Apocalipse de São João. Recordem que Pedro também nos falou de novos céus e de nova terra, e os mares que foram já não o são.

Estes, os que serão salvos, viverão na futura Sexta Raça. Assim será e quero que vocês o compreendam. Assim, meus caros irmãos, escolham o caminho. Irmãos brasileiros, ajudem-nos e ajudem-se a si mesmos. Vamos entre todos nós formar o Exército de Salvação Mundial. Vamos todos por povoados e montanhas, por cidades e aldeias, divulgar o verbo da Era de Aquário, lançando aos quatro ventos o Evangelho desta nova idade. Quanto mais trabalhem em favor de seus semelhantes, quanto mais pessoas trouxerem às nossas fileiras, tanto melhor para vocês, porque serão recompensados. Recordem que quem dá, recebe, e quanto mais dá, mais recebe; esta é a lei. Mas, aquele que nada dá, nada recebe.

Sacrifiquemo-nos pela humanidade, ofereçamos nossas vidas no altar do supremo sacrifício por todos os seres viventes. Assim, meus queridos irmãos, marcharemos pela senda, pela pedregosa senda que há de conduzir-nos à autêntica, à legítima felicidade.

Até aqui minhas palavras, meus queridos irmãos gnósticos brasileiros.

Paz Inverencial.


 

Autor: Samael Aun Weor


0Respostas em Samael Fala ao Brasil"

IGB - Igreja Gnóstica do Brasil

Lançamento 1ª versão: 4 de fevereiro de 1997. Atualizações contínuas e permanentes. Copyright 2005-2014© Todos os direitos reservados. A responsabilidade deste site é da Igreja Gnóstica do Brasil - IGB